Com fim gradual de sinal analógico, saiba o que fazer para usar TV digital

A transmissão do sinal de TV digital começou em 2007 no Brasil. Agora, está cada vez mais próximo o prazo de desligamento total do sinal analógico. A data limite é no fim de 2018, porém o cronograma da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) estabelece datas de desligamento já em 2016 para cidades grandes, como São Paulo, por exemplo.
Baseado na proximidade do fim do sinal analógico, o UOL Tecnologia consultou especialistas para responder a perguntas sobre o tema, ressaltando o que vai mudar para os telespectadores de TV aberta e qual a importância disso:


Por que vão desligar o sinal de TV analógico?
A razão do fim de transmissão analógica é que esse espectro de frequências será usado por operadoras para aumentar a oferta de redes 4G na faixa de 700 MHz. Atualmente, o 4G está disponível apenas na faixa de 2,5 GHz.


Quando vão desligar o sinal analógico na minha cidade?
O Ministério das Comunicações tem um cronograma detalhando quando o sinal analógico deve ser desligado.

A título de curiosidade, a primeira cidade vai ser Rio Verde (GO), no dia 29 de novembro deste ano. Na sequência, vêm o Distrito Federal e cidades adjacentes (3.abr.2016), São Paulo (15.mai.2016), Belo Horizonte (26.jun.2016), Goiânia (28.ago.2016) e Rio de Janeiro (27.nov.2016).
No restante das cidades, ocorrerá entre 2017 e o final de 2018.


O que eu ganho mudando para o sinal digital?
A vantagem é a qualidade de imagem, que é transmitida em alta definição. Em termos práticos, a imagem terá o dobro de definição e muito mais brilho.
No sinal analógico, as imagens chegavam com definição "standard" (704 x 480 pixels), enquanto o padrão de TV digital brasileiro transmite com definição de 1.080 x 720 pixels.


Não tenho a menor ideia se recebo sinal digital. Como faço para saber?
Com a proximidade do desligamento do sinal analógico, as emissoras passarão a mostrar algum sinal informando isso. Algumas mostrarão um "A" (de analógico) ou exibirão uma mensagem mostrando que o sinal é analógico.


Como sei se minha cidade está coberta por sinal digital?
A maioria das grandes cidades já conta com sinal digital, sobretudo as que devem ter o sinal analógico desligado ainda em 2016. É possível consultar se um município está coberto no site http://dtv.org.br/index.php/cobertura.


Como sei se minha emissora preferida já está disponível na minha cidade?
Não há um levantamento sobre isso. Essa informação, segundo Roberto Franco, presidente do Fórum SBTVD, associação de entidades em prol da pesquisa sobre TV digital aberta, ainda está sendo levantada pelo EAD (entidade responsável pela gestão do processo de migração entre o sinal analógico e a implementação da TV Digital).
No entanto, as principais emissoras já oferecem esse tipo de transmissão, pois é de interesse delas. "Se ela não cobrir a mesma área da cobertura analógica, o canal vai perder audiência e publicidade", explica Luis Roberto Antonik, diretor geral da Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão).


Como faço para receber sinal digital?
É necessário ter uma antena que recepciona esse tipo de sinal e um televisor com conversor embutido. Quem não tem um conversor digital embutido na TV deve comprar um.


Como sei se minha TV aceita sinal digital?
Desde 2010, todos os televisores com tela de 32 polegadas ou mais já vêm com conversor digital integrado. Para os fabricados em 2011, a regra do governo abrange TVs com tela igual ou maior a 26 polegadas. Além disso, os aparelhos que contam com conversor integrado têm a indicação "DTV" na própria TV, na caixa ou no manual.


Tenho uma TV antiga e que não tem um conversor embutido. O que devo fazer para assistir aos canais abertos com o desligamento do sinal analógico?
Caso não queira comprar um aparelho novo, é necessário ter um conversor e uma antena UHF – ambos os itens são encontrados em varejistas.  O primeiro é encontrado no mercado por cerca de R$ 150 (muitos modelos têm funções adicionais, como gravador digital).Ao adquirir uma antena, o consumidor tem duas opções: interna ou externa. A primeira é encontrada por até R$ 80 em varejistas e é recomendada para locais com forte sinal de TV digital. Já a segunda é para quem mora em locais com acesso instável e custa até R$ 300.

Há antenas passivas (que não necessitam ligar na tomada) e antenas ativas (que são ligadas a energia elétrica), que costumam ser mais caras e apresentam desempenho superior.
Há antenas de sinal digital internas e externas. Qual devo escolher?

A preferência é comprar uma antena externa, pois é mais robusta para recepção de sinal, segundo Roberto Franco, do Fórum SBTVD. Segundo ele, os sistemas de transmissão de sinal de TV pelo mundo sempre são baseados na recepção em antena externa. Porém o padrão brasileiro é robusto e uma antena interna pode resolver – no caso de pessoas que vivem em áreas com sinal robusto. É importante ter uma boa recepção de sinal para não ter problemas. "Na recepção analógica, quando há algum obstáculo, o sinal começa a degradar e ocorre o chuvisco. Já no digital, ou aparece a imagem ou não aparece nada", explica Eduardo Tude, presidente da consultoria Teleco. 

Tenho uma TV que veio com conversor embutido. Como faço para ver TV digital?
Nesse caso, basta ter uma antena interna ou externa para receber o sinal e sintonizar o aparelho.


Tenho TV, mas não tenho dinheiro para um dispositivo novo ou um conversor. Como faço para assistir à TV digital?
O governo estabelece que beneficiários do programa Bolsa Família terão direito a um kit gratuito com conversor, antena de controle remoto. De acordo com Luis Roberto Antonik, diretor-geral da Abert, a distribuição será comandada pelo EAD.
Ainda não há detalhes de como será a distribuição desses equipamentos. Próximo ao desligamento do sinal analógico, deve haver campanhas específicas para conscientizar os beneficiários do programa.

Tenho TV digital, mas a imagem não ocupa toda a área da tela. Por que ocorre isso?
Isso ocorre porque há conteúdos antigos mostrados na TV aberta que foram captados no padrão antigo. Por essa razão, há programas antigos que ocupam, por exemplo, apenas a parte central da tela.